Lua Negra

Também chamada Lilith, é um ponto fictício na trajetória orbital da Lua ao redor da Terra; mais praticamente, trata-se do segundo foco da órbita lunar (o outro foco é a Terra), cuja posição é sensivelmente a mesma do apogeu lunar (ponto em que a Lua está mais afastada da Terra). Esse ponto não é fixo, desloca-se aproximadamente 40o por ano. A Lua Negra é um ponto altamente metafísico em um mapa astral. É de interesse principal para aqueles que buscam uma dimensão esotérica em Astrologia. Simboliza o oculto, o inconsciente, a parte que as pessoas não reconhecem facilmente nelas, a “sombra” no sentido junguiano do termo. Onde a Lua Negra se encontra é um polo de lucidez absoluta, de luz, tão ofuscante, tão intensa, que se pode querer recusar vê-la. Em seus aspectos dissonantes indicará um corte, uma falta, uma recusa, um vazio, e sempre representará no mapa astral de uma pessoa influenciada por ela alguma coisa incômoda e fascinante para os outros. (AUBIER, 1992, p. 256).

28/08/2012

Lilith - O mito e as atribuições simbólicas


Existem referências muito antigas a uma entidade feminina de nome Lilu, Lilitu ou Lilake na mitologia da Mesopotâmia. Demônio que merecia esconjuros e rezas de proteção, essa entidade também era relacionada a uma deusa suméria de nome Lulu, que significa libertinagem.
Portanto, Lilith tem em sua origem o sentido de ser um demônio que excita a luxúria, que domina a noite com sua sensualidade destrutiva e descontrolada, que seduz e enlouquece os homens, rouba as crianças e traz a perdição. Ao longo do tempo a mitologia ligada a entidades femininas voluptuosas e destrutivas foi sendo incorporada a tradições religiosas monoteístas.
Lilith teria sido a primeira esposa de Adão, mais tarde substituída por Eva. Mesmo na tradição judaico-cristã, esta é a figura de uma mulher que ousou ter desejos e não aceitar as ordens de Adão, especialmente aquelas relativas a sexualidade. Expurgada e banida para o Mar Vermelho, Lilith permaneceu em seu reino de figuras vampirescas por longos séculos, habitada por toda a sorte de fantasmas, demônios e gênios malignos, femininos ou não.
A Lilith bíblica teria, na origem de sua palavra, o significado de Layl, ou Laylah, que quer dizer noite: ela é mais uma vez denominada espírito noturno. Roberto Sicuteri, um estudioso do tema de Lilith, informa, em sua obra Lilith, a Lua negra, que Lilith-Lilitu-Lulu é a variável do demoníaco na área hebraica do Oriente Médio, expressão da paixão turva da sexualidade desenfreada que pode insidiar e submeter o homem.
Há diversas representações dessa deusa noturna, a endiabrada Lilith, que ameaçava a paz dos homens. Nas antigas esculturas e gravações em pedra surge uma mulher corpulenta, de seios fartos e boca sensual, cuja energia agressiva está presente com uma profunda vibração. As pernas femininas se transformam em presas animais. Patas de animais, como garras feias de abutre, surgem no lugar dos dedos.
Com a expressão sorridente e provocativa e cabelos que se transformam em serpentes, Lilith também apresenta asas. Ao seu lado, figuras lunares: dois cães e duas corujas. Na mitologia grega, encontraremos algumas divindades que recuperam ou fazem alusão a estas formas de Lilith, como por exemplo Hécate, a Lua Negra, com seu séquito de cães, e mesmo Palas Atena, que tem como símbolo a coruja, desta vez significando uma sabedoria feminina que foi domesticada e posta a serviço dos negócios públicos, da cidade e dos homens.
Algumas representações de Lilith também a fazem segurar o símbolo do signo da Balança, talvez como um sinal de que ela desestabiliza relacionamentos, ao mesmo tempo em que tem poder sobre eles. E por que Lilith é a representação da Lua Negra? Em primeiro lugar, porque domina a noite, é o espírito da noite, esse espírito feminino maligno que ameaçava especialmente as mulheres, as crianças e os recém-casados. É a Lua enquanto regente da infância, como simbolismo da emoção, que varia e pode desequilibrar os recém-noivos. Em algumas fontes antigas, especialmente ligadas ao judaísmo, Lilith tem a conotação da sensualidade perigosa. Aconselhava-se aos homens que nunca dormissem sozinhos em uma casa, para não serem pegos por ela. A imaginação popular antiga dizia também que Lilith jamais ficava em paz, parada em um lugar. A deusa nunca tem repouso, sempre dedicada a desafogar sua fúria contra Deus e os homens, como revela o astrólogo italiano R. Sicuteri, em obra já mencionada.


Atribuições simbólicas na astrologia

Na astrologia existem várias Liliths. Uma delas é um asteróide descoberto em 1181 que demora cinco anos para percorrer todos os signos. Em 1897, o astrônomo alemão George Waltemath documentou pela primeira vez o que chamou de Lua Escura, um corpo não-refletivo que orbita a Terra a cada 119 dias. O astrólogo inglês Sepharial deu-lhe o nome de Lilith, mas nem todos o utilizam.
Mas a mais importante das Liliths é a Lilith como Lua Negra ou Lulu, que na realidade é um ponto determinado matematicamente no trajeto da órbita lunar. É o apogeu lunar, o ponto mais longínquo da Lua quando vista da Terra. A Lua Negra (denominação norte-americana) ou Lulu (denominação do Colégio Astrológico da França) demora nove anos para transitar todos os signos.
A astróloga norte-americana Demetra George descreve o simbolismo de Lilith como o de uma deusa noturna que controla e doma os animais selvagens e que representa o princípio da ira reprimida e da resolução de conflitos. Oriunda da mitologia sumeriana, pois fazia parte do séquito de Inana, a deusa todo-poderosa dos babilônios, Lilith se torna – como falamos – o símbolo do medo masculino de sua potência e de sua sexualidade.
Segundo Demetra, Lilith une-se, enquanto símbolo, a um outro asteróide de conotação masculina, Toro. Ambos carregam conteúdos de poder sexual pessoal e ira reprimida. Nas relações humanas, Lilith e Toro representariam um par que simboliza ou o abandono e a rejeição ou a disposição para uma negociação habilidosa e para o compromisso.
Quando reprimida, a energia de Lilith transforma-se em dominação e violência, manipulação e destruição. No lado luminoso do simbolismo da deusa destacam-se a arte do consenso e a transformação positiva dos relacionamentos


No mapa astral


No mapa astral, Lilith simboliza – quando em destaque – a independência e a recusa em se submeter a alguém ou comprometer suas crenças em nome de interesses alheios, assim como identifica um potencial para resolução.
Lulu – a Lua Negra norte-americana que é o ponto de apogeu da Lua - anda 40 graus por ano e simboliza, de acordo com a astróloga Ana Maria Costa Ribeiro, uma válvula de escape, usada para superar problemas pessoais; a profissão ou a situação que se gostaria de ter; a maneira de exercer sua criatividade.
A astróloga norte-americana Demetra George identifica também alguns posicionamentos de Lilith mais desafiadores em mapas de pessoas que sofreram abuso sexual. Quando um planeta contacta Lilith, ele aponta a saída para a resolução de conflito dessa ira reprimida há milênios, que simboliza o aspecto dominado da mulher que não se conforma, mas não faz nada para mudar a situação que provoca sua raiva.
A posição e o signo em que se encontra Lilith e os aspectos que ela forma com outros planetas sinalizam facilidades ou bloqueios dessa capacidade consigo ou com outros seres. Quando Lilith se encontra mal aspectada, há um indício a mais de manipulação sexual, recusa em comprometer-se, abandono, fuga ou mesmo rejeição.
Alguns estudiosos apontam que Lilith em uma casa astrológica simboliza um setor da vida em que tendemos a mostrar intransigência e onde se pode subliminar instintos capazes de destruir algo de valor, sendo que alguns aspectos identificariam – como já falado – tendência à destrutividade pessoal e do outro.
A casa em que se encontra Lilith sinaliza o momento em que podem ser feitas escolhas erradas e que necessitam de harmonia para que a pessoa construa algo de valor naquele setor. Alguns chegam a dizer que a casa onde está Lilith pode apontar a tentação e as frustrações e vulnerabilidades. A desarmonia de Lilith tem como objetivo impulsionar a pessoa em direção a desapegar-se e tornar-se criativa, redescobrindo talentos e potenciais em vez de buscar manipulação ou controle.
A posição de Lilith por signo evidencia as qualidades mais difíceis de cada um deles. Um exemplo: Lilith em Touro seria um sinal de que a pessoa tem tendência a acumular e possuir e pode perder tudo; em Gêmeos as manobras espertas e a superficialidade como causas de perdas e erros; em Libra, a pessoa quer ser amada e não consegue e a ausência ou presença de beleza podem ser motivos de sofrimento.
http://ciganaluciana.blogspot.com/2008/03/mais-sobre-lilith.html
O mito e as atribuições simbólicas